Tempero da Vida

Participações
Rosane Vidinhas
5 de agosto de 2017

GASTROMOTIVA – Você conhece?

Gastromotiva- Parte I

A primeira vez que estive no REFETTORIO GASTROMOTIVA ( Reffetorio-em latim Reficere significa refazer ou restaurar e Gastromotiva – motivar pela Gastronomia) foi no dia 2 de fevereiro deste ano, com minha turma da Pós-graduação em Jornalismo Gastronômico. Fomos divididos em grupos e participamos em dias diferentes.

Já havia escutado falar da Gastromotiva em programas da TV.

Foi uma experiência interessante e importante para conhecer a proposta desse Movimento Social.

COMIDA – CULTURA – DIGNIDADE

É uma cozinha-escola dando oportunidade a jovens de baixa renda a aprenderem uma profissão e atuar em restaurantes ou até desenvolverem seus próprios negócios. Além de técnicas, aprendem sobre trabalhar em grupo na cozinha, noções de higiene e qualidade alimentar, ideias de gestão e empreendedorismo.

É um galpão que foi muito bem delineado e arquitetado, com excelente maquinário para cozinha. Vik Muniz, responsável pela curadoria artística, irmãos Campana e Maneco Quinderé se volutariaram para desenvolver cenografia e mobiliário. O projeto é assinado por Gustavo Cedroni da METRO Arquitetos (informação retirada do site).

Há sempre um Chef voluntário experiente e muitos deles até bem famosos, que assumem a cozinha no dia e elaboram o cardápio de acordo com as doações de alimentos que chegam. Sem desperdícios, otimizando o alimento de todas as formas, podendo utilizá-lo desde a entrada até a sobremesa.

Nesse dia que eu estava a estrela era a CENOURA!

Quem comandava a cozinha era a Chef Luciana Benamor que é vegana e responsável pela empresa Vegamorlp.

https://www.facebook.com/luciana.benamor

https://www.facebook.com/vegamorlp/?pnref=lhc

O Chef David Hertz Fundador da Gastromotiva, a Chef Luciana Benamor e eu,Vidinhas…

A Chef Luciana elaborou o seguinte cardápio:

Entrada: Macarrão de cenoura no Shoyu com molho de mostarda e pêssego salpicado de chia

Prato Principal: Spaghetti no alho e óleo com legumes (cenoura e berinjela) cozidos e casca de banana empanada na gelificação da chia.

Sobremesa: Sorvete de Tapioca deitado numa farofa de bolo de milho (moído) salpicado de granola acompanhado de biscoito de geléia de goiaba.

Nós, como voluntários, vestimos os aventais e fomos orientados em como colocar a mesa e servir aqueles que vem para a refeição. Tudo planejado para que funcione na mais perfeita ordem.

As refeições são oferecidas no início da noite às pessoas que chegam, moradores de abrigos, população em situação de moradia nas ruas, aqueles em situação vulnerável.

OBS: não é permitido fotografar enquanto as refeiçoes estão sendo servidas…

Observei que muitos já haviam estado ali outras vezes, sabiam como era a rotina.

Achei que estranham o cardápio como se preferissem algo, digamos, mais “substancial” (arroz com feijão, goiabada…).

Alguns colegas se preocuparam bastante com isso: – seria simples assim?  Essas pessoas receberem uma alimentação com “ar” de alta gastronomia?

Outros colegas tinham um pensamento que aquela era uma oportunidade onde essas pessoas seriam tratadas com toda a dignidade acreditando ainda no respeito a elas apesar de suas situações fragilizadas. Alimentar a Alma!

Servimos os pratos à mesa e água (nem sempre tem refresco).

Carne e outras proteínas de alto valor biológico é difícil de chegar!

A mesa é coberta com papel pardo e giz de cera, onde eles, enquanto comem, desenham e escrevem frases e versos que refletem seus momentos. É tocante.

Um deles ao saber que o Fundador do Projeto estava presente naquele dia, o Chef David Hertz, mal conseguia comer absorvido em desenhar a figura do chef a fim de homenageá-lo.

Há muita informação no site e você pode se inscrever para ser voluntário e ver como funciona.

 

Refettorio Gastromotiva

Rua da Lapa, 108, Rio de Janeiro

(21) 96539-5769

http://www.gastromotiva.org

https://www.facebook.com/gastromotiva

 

Em resumo:

– GASTROMOTIVA – “Comida que transforma”

– O Chef de cozinha David Hertz trabalhava num restaurante em São Paulo, começou a ensinar a jovens da periferia a cozinhar e seu sonho se transformou no que hoje é a Gastromotiva. Junto ao Chef Massimo Bottura (Food for Soul) e a jornalista Ale Forbes buscam contribuir na luta contra o desperdício de alimentos, má nutrição e exclusão social.

– A ideia começou em São Paulo em 2006 e no Rio de Janeiro chegou em 2013. Expandiram-se por outras capitais do Brasil. Atingiram a meta internacional chegando ao México em 2016.

-O que fazem:

** Oferecem curso de CAPACITAÇÃO DE COZINHA. O curso atende jovens de 17 a 35 anos, com renda familiar de até 3 salários mínimos, sem qualificação profissional. Aprendem técnicas de culinária, mas também higiene, conservação de alimentos, procedimentos esses que qualifiquem a pessoa a se tornar um profissional do ramo alimentício.

Os alimentos são doados por empresas e geram cardápios que visam o total aproveitamento desses alimentos a fim de evitar desperdícios.

** Curso FAÇA e VENDA: Treinam e orientam pessoas de baixa renda e que querem vender, divulgar e viver de seus produtos a melhor gerenciarem seus negócios, tornando-se empreendedores em busca de sucesso na área de alimentos.

**Refeições para população de vulnerabilidade social

** Às vezes criam almoços para o público em geral com o conceito “pague o almoço e deixe o jantar”.  São refeições também elaboradas a partir dos alimentos doados. Pessoas que trabalham na Lapa, em empresas e comércio nas proximidades do Gastromotiva acabam por almoçar ali.

**Feira :  Ex-alunas do Empreenda –  Faça e Venda, preparam deliciosos quitutes e vendem aos visitantes com preços ótimos.

– A FEIRA DE GASTRONOMIA SOCIAL acontece normalmente na segunda quarta-feira do mês no próprio Reffetorio Gastromotiva, na Lapa. Pode haver edição especial num Sábado. Eles comunicam na página do Facebook.

Existem outras atividades que você pode consultar no site…

“Não basta a comida ser boa, ela também precisa fazer bem para a sociedade”.

 

 

 

 

 

© 2017 Tempero da Vida. Todos os direitos reservados.

Outlab.