Tempero da Vida

Sensações e memórias
Rosane Vidinhas
25 de abril de 2019

A Ambrosia da Rô

Por Rosane Vidinhas,

Rio, 23 de abril de 2019

O celular tocou. Era a Rô, aquela minha amiga vizinha de rua que é uma cozinheira de mão cheia.

– Está em casa? Desce aí que fiz AMBROSIA e estou levando para você.

Eu ainda estava de pijama. Me troquei e fui para a portaria.

Antigamente era muito mais comum uma vizinha tocar a campainha da sua casa e vir com um potinho dizendo que o sal havia acabado, que ficou faltando um ovo para a receita…ah! isso gerava parceria, um escambo saudável, te permitia outra hora também tocar a campainha da porta ao lado. Isso tornava os vizinhos cúmplices, nada de pensar que aquilo faria “ficar devendo” era uma sensação que sim, não vivo sozinha, “divido com alguém”. Uma segurança dita pelo coração. Se algo for necessário tenho com quem contar pertinho. Pronto! Era esse um significado “despercebido”.

Agora parece tudo ser invasivo, pessoas trocam apenas cumprimentos nos elevadores. Tocar a campainha do vizinho? O que vai pensar de mim? Ao mesmo tempo que estamos completamente expostos por redes sociais. E tudo que te separa do ao lado é uma única parede.

Conviva, sorria mais, troque uma conversa, deixe que te veja.

A Ambrosia era para os gregos, a “comida dos deuses”. Reservada apenas ao Olimpo, os pobres mortais que a experimentassem garantiam a felicidade da imortalidade.

Deve ter surgido desse mito grego a expressão “é dos deuses” para um prato gostoso.

Na Idade Média, a ambrosia era também receita desenvolvida nos conventos, a base de ovo e açúcar. E sua característica são esses gruminhos.

Imortal é um gesto simples que alguém te oferece um carinho do qual jamais irá se esquecer.

Rô… a AMBROSIA estava “dos deuses”.

E de quebra ela ainda passou a receita :

4 ovos batidos inteiros

Suco de limão

500g de açúcar

1 litro de leite

Modo de fazer:

Bata os ovos com fouer

Acrescente o limão e açúcar

Bata novamente até ficar homogêneo

Coloque o leite numa panela e coloque a mistura dos ovos

Coloque em fogo alto, quando ferver abaixe o fogo e deixe ir dando o ponto mais ou menos por uma hora.

“É doce de paciência” diz ela…rsrsrsrsrs

** A tigelinha terracota é da Coleção Panelinha, by Rita Lobo, um presente amado que ganhei de outra amiga- irmã, Sheila.

 

© 2017 Tempero da Vida. Todos os direitos reservados.

Outlab.